Última hora
This content is not available in your region

EUA continuam sem ratificar tratado contra as minas antipessoais

EUA continuam sem ratificar tratado contra as minas antipessoais
Tamanho do texto Aa Aa

É uma “vergonha” que os Estados Unidos se recusem a ratificar o Tratado de Otava, que proíbe as minas antipessoais. Esta é a reacção dos responsáveis da Campanha Internacional para a Interdição das Minas, uma federação de ONG já galardoada com o Nobel da Paz. Os Estados Unidos deixaram de produzir estas minas, mas não fecham a porta à sua utilização. “Não pudemos assinar a Convenção de Otava, quando foi inicialmente assinada pelos outros países, em 1997, porque há circunstâncias determinadas, específicas e válidas nas quais as minas antipessoais podem ser uma arma legítima”, admite Thomas Countryman, do Departamento americano dos Assuntos Politico-militares.

O assunto volta à ordem do dia, nas vésperas da Conferência de revisão do tratado, que começa este domingo, na Colômbia. Mas os Estados Unidos não são o único detentor de minas antipessoais, como recorda Stephen Goose, da Divisão de Armas da Human Rights Watch: “Só a China possui, estima-se, mais de 100 milhões de minas antipessoais. A Rússia tem cerca de 20 milhões. Os Estados Unidos, 10 milhões. O Paquistão, entre quatro e cinco milhões. A Índia, cerca de quatro milhões. Estes cinco países possuem a maioria das minas existentes.” Países que não assinaram o tratado. E que, tal como o Estados Unidos, estarão presentes na conferência enquanto observadores. Os Estados Unidos argumentam que são o primeiro doador para acções humanitárias de destruição de minas antipessoais. Estes engenhos fizeram mais de cinco mil mortos no ano passado, um terço dos quais, crianças. O Afeganistão e a Colômbia são os países mais atingidos pelo flagelo.