Última hora

Última hora

Greve de fome pela autodeterminação do Sara Ocidental

Em leitura:

Greve de fome pela autodeterminação do Sara Ocidental

Greve de fome pela autodeterminação do Sara Ocidental
Tamanho do texto Aa Aa

Aminatou Haidar, de 42 anos, está em greve da fome há precisamente um mês. Chamam-lhe “a passionaria” ou a “Ghandi do Sara Ocidental” por resistir às pressões marroquinas e espanholas, não cede.
Activista assumida, tornou-se,o símbolo de uma guerra africana que já tem 35 anos.

“Regressarei a Marrocos, viva ou morta”, assegura.

Apoiada por numerosos cidadãos em Espanha, onde ameaça morrer, Aminatou recusa pedir perdão a Marrocos “por ter renegado a nacionalidade marroquina”, como a acusam. Ela, sendo do Sara Ocidental, considera-se sariana e defende o direito do seu povo à autodeterminação.

O Sara Ocidental tem 266 000 km² e fica no Noroeste de África. É reivindicado por Marrocos e pela República Árabe Sariana, fundada pela Frente Polisário. Marrocos ergueu um muro de defesa em pleno coração do deserto para travar as incursões dos separatistas.

A história data de 1975. O Sara era uma colónia espanhola e Marrocos, que considera o território seu reclama a sua restituição. No dia 6 de Novembro, o Rei Hassan II impulsionou a marcha verde com 350 mil voluntários que correram com o Corão e a bandeira nas mãos. Madrid defende a partilha do território entre a Mauritânia e Marrocos.

Mas os sarianos, apoiados pela Argélia, não foram consultados. E o que eles querem é a independência. Para eles, marroquinos ou mauritanos são apenas ocupantes.
A 27 de Fevereiro de 1976, a Frente Polisário nascida da luta contra o ocupante espanhol, três anos antes, proclamou a República Árabe Sariana Democrática e mudou de alvo.

A guerra eclodiu entre os rebeldes da Frente de Libertação e as forças marroquinas e mauritanas. Em 1979, a Mauritânia assinou a paz e abandonou os territórios, logo a seguir anexados por Marrocos. A guerra continuou entre as duas partes, apesar de um cessar-fogo em 1991.

Assim, mais de 30 anos depois da partida dos colonizadores, o Sara Ocidental ainda não obteve um estatuto definitivo. Marrocos propõe uma autonomia alargada com soberania marroquina enquanto que a Polisário, apoiada pela Argélia recusa e reivindica um referendo de autodeterminação.

Aminatou Haidar, ao fazer greve de fome, dá um novo relevo ao conflito.