Última hora
This content is not available in your region

Lituânia encerra maior fonte de energia do país

Lituânia encerra maior fonte de energia do país
Tamanho do texto Aa Aa

Pressionada por Bruxelas, a Lituânia encerra esta quinta-feira a única central nuclear do país.

O segundo reactor da central de Ignalina, uma estrutura semelhante à de Chernobyl, vai ser desligado quando faltar uma hora para o ano novo.

Uma decisão forçada pela UE por motivos de segurança que representa um aumento da factura da electricidade para os lituanos.

“De facto, a economia lituana e o sistema de abastecimento de electricidade não estão exactamente preparados para funcionar sem a central atómica. Esperemos que a Lituânia não fique sem electricidade. Parte da energia será gerada nas centrais térmicas, comprando sobretudo o gás russo, e outra parte terá de ser adquirida no mercado externo”, explicou Viktor Shevaldin, director da central.

Até agora, a central de Ignalina fornecia 70% da energia eléctrica lituana. Para além da perda de postos de trabalho, o encerramento do reactor representa um aumento de 30 por cento na conta da electricidade de cada casa.

Uma preocupação a mais num país cuja economia se terá contraído 18% em 2009.

“Eles vão fechá-la demasiado cedo. Não há necessidade de fazê-lo. Como é possível? A central nuclear deu-nos ovos de ouro, porque é que estão a encerrá-la tão cedo? Devia continuar a trabalhar”, declarou uma residente de Visaginas, onde se situa a central.

A União Europeia desbloqueou até ao momento 820 milhões de euros para o desmantelamento da central. Uma verba insuficiente para um projecto que deverá, segundo as autoridades locais, demorar mais de 20 anos a concluir.