Última hora
This content is not available in your region

Justiça americana arregaça as mangas

Justiça americana arregaça as mangas
Tamanho do texto Aa Aa

Desde que Obama decidiu fechar Guantánamo, a justiça norte-americana não tem mãos a medir.

Esta sexta-feira, foi a primeira audiência de Umar Abdulmutallab. O jovem nigeriano, de 23 anos, declarou-se “inocente” das acusações de tentativa de ataque terrorista no voo Amesterdão-Detroit.

A audiência não durou mais do que três minutos. Umar Abdulmutallab foi oficialmente acusado de seis crimes, entre os quais, tentativa de assassinato e utilização de arma de destruição maciça.

As acusações, que podem levá-lo à prisão perpétua, foram formadas menos de 15 dias após o voo entre Amesterdão e Detroit, que o nigeriano alegamente tentou fazer explodir.

Também esta sexta-feira, mas em Nova Iorque, na sequência de um acidente de viação, um outro suspeito de terrorismo foi presente a tribunal.

Zarein Ahmedzay e um amigo estarão implicados na alegada tentativa de atentado em Nova Iorque, no ano passado, por ocasião do aniversário do 11 de Setembro.

Zarein Ahmedzay é suspeito de ligações à Al-Qaeda e foi formalmente acusado de “falsas declarações”. Segundo Michael Marinaccio, o advogado de Ahmedzay, “as acusações pesam sobre o facto de que não terá dito a verdade completa sobre onde foi e onde o seu amigo foi quando estiveram no Afeganistão e no Paquistão.” E rematou: “É por estas razões que se fazem julgamentos nos Estados Unidos!”

Estas detenções e acusações formais surgem numa altura em que a eficácia dos serviços de segurança e informações dos Estados Unidos está a ser posta em causa.