Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Brigitte Grésy: Os Estados membros devem legislar sobre a igualdade dos sexos

Brigitte Grésy: Os Estados membros devem legislar sobre a igualdade dos sexos
Tamanho do texto Aa Aa

Audrey Tilve, euronews: Brigitte Grésy, enquanto inspectora-geral dos Assuntos Sociais em França e representante da França no Instituto Europeu para Igualdade dos Sexos, acha que seis meses de presidência rotativa espanhola vão chegar para fazer progredir a difícil causa da igualdade entre homens e mulheres?

Brigitte Grésy, Instituto Europeu para Igualdade dos Sexos: É certo que é uma presidência de seis meses, mas é preciso saber que há cada vez mais presidências rotativas que trabalham com os países que se seguem, ou seja, a Espanha está a trabalhar em estreita colaboração com a Bélgica e com a Hungria. Por isso, o grande impulso que a Espanha vai dar no seu programa de presidência, em termos de emprego e violência, será parcialmente retomado pelas presidências que se seguem.

A. Tilve: Os números são impressionantes. A diferença entre os salários dos homens e das mulheres é superior a 17%. Há apenas 11% das mulheres que integram os conselhos de administração das maiores empresas da Europa. É necessário defender a igualdade a todo o custo e, se sim, como consegui-la?

B. Grésy: Há, por um lado, a igualdade profissional. A Espanha quer comprometer-se fortemente com uma nova estratégia de crescimento a favor do emprego. Iremos ter o prolongamento da Estratégia de Lisboa que termina em 2010 e quase atingimos a meta de uma taxa de emprego das mulheres de 60%. A Espanha quer lançar uma nova estratégia para o emprego e crescimento entre 2010-2020. Há uma vontade forte para que os Estados membros se comprometam com as novas linhas mestras e as indicações a seguir.

Depois há os conselhos de administração. Penso que os Estados membros devem legislar. Sabemos que a Espanha pode ser um motor nesta questão, porque, em 2007, adoptou uma lei que estipula em 40% a percentagem de mulheres dos conselhos de administração até 2015. Nesse ponto, segue a Noruega que já tinha adoptado essa lei em 2003. A França é, na Europa, o terceiro país a colocar a proposta na mesa. Há, por isso, uma tomada de consciência sobre a necessidade de passar pela lei para que as empresas públicas e cotadas em bolsa integrem mais mulheres nos conselhos de administração.

A. Tilve: Outro ponto sobre o qual a Espanha quer agir a nível europeu, é no que diz respeito à violência sobre as mulheres. Ela pondera a criação de um observatório, de um número único de assistência às vítimas, talvez mesmo de um mandado europeu de protecção. Acredita na eficácia destas medidas?

B. Grésy: Acredito que a Europa tem todo o interesse em trabalhar em conjunto, de partilhar as experiências, para que os melhores alunos europeus em termos de violência – e penso na Espanha que, com a sua lei global sobre a violência, reuniu todos os temas, incluindo a reinserção profissional das mulheres vítimas de violência -, para que justamente os bons alunos sobre a violência possam ajudar toda a Europa sobre estes temas.