Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Entrevista com Josep Ramoneda, analista político de Barcelona

Entrevista com Josep Ramoneda, analista político de Barcelona
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Beatriz Beiras, euronews: Josep Ramoneda, é analista político e director do Centro de Cultura Contemporânea de Barcelona. O Tratado de Lisboa introduz uma presidência permanente da União Europeia, mas não eliminou as presidências rotativas. Que análise faz desta bicefalia?
 
J. R.: Não faz sentido. Não é apenas uma bicefalia, é uma tricefalia, porque há que contar com o presidente da Comissão Europeia, Durão Barroso, incompreensivelmente eleito com os votos do Partido Socialista espanhol. É o oposto do que a Europa necessita. A Europa necessita de uma clarificação de responsabilidades, de uma simplificação burocrática e de uma maior acção política. Está-se a fazer o contrário.
 
euronews: Porque se mantiveram as presidências rotativas da União Europeia?
 
J. R.: Foram mantidas devido ao eterno problema: não há maneira de os Estados-nação aceitarem a construção de uma verdadeira instituição estatal com um carácter supranacional. Consideram-se os portadores da legitimidade democrática, claro. Em vez de permitirem que o novo presidente tenha legitimidade democrática, colocam todo o tipo de controlos e de sobreposições de tarefas e de mandatos. Esta realidade apenas pode ser resolvida no dia em que o presidente da Europa for eleito por sufrágio universal.
 
euronews: Como funcionou até agora o compromisso entre o presidente permanente, o belga Herman Van Rompuy, e o presidente rotativo, o espanhol José Luis Rodriguez Zapatero?
 
J.R.: Começaram com declarações de boas intenções, e o presidente Zapatero insistiu que o papel central caberia a Van Rompuy, já que estava apenas de passagem. Mas apercebo-me de que os primeiros problemas já se fizeram sentir. Agora existe um conflito por causa de uma fotografias com Obama. É sempre a mesma coisa, as fotografias tornam-se muito mais importantes do que os problemas reais, do que as questões enormes que a Europa tem pela frente.