Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Presidência rotativa espanhola quer impulsionar a economia europeia

Presidência rotativa espanhola quer impulsionar a economia europeia
Tamanho do texto Aa Aa

O que têm em comum a crise económica, a igualdade entre sexos, a situação de Cuba e uma Europa bicéfala? A resposta é a presidência espanhola da União.

Como sabem, a Espanha tem a honra e a responsabilidade de liderar a UE. O que muda é que, os 27 países não vão ter um único timoneiro, mas dois: Zapatero e Rompuy. Oxalá se entendam porque, segundo o economista Santiago Niño Becerra, vai haver um crash económico em 2010. Esperos que se engane.

Nesta edição especial sobre a presidência espanhola, apresentamos uma análise sobre a situação económica da Europa.

Em Espanha, as filas de desempregados são longas. No final de dois mil e nove registavam-se quase quatro milhões de pessoas sem emprego. É um número histórico para Espanha e o mais elevada da zona euro.

Segundo a Organização para a Cooperação e o Desenvolvimento na Europa, no passado Outono, em Espanha, a taxa de desemprego atingiu os 19.4 por cento, enquanto que a média dos 16 países da zona do euro se situou no 9.8 por cento, de acordo com os números do Eurostat.

A recuperação económica europeia e a criação de emprego ocupa por isso o primeiro lugar na lista de prioridades da presidência espanhola. A preocupação de Madrid fui partilhada pelos responsáveis comunitários numa reunião no dia 8 de Janeiro na capital espanhola.

O presidente do Conselho da Europa, Van Rompuy assume:

“Temos de fazer face a dois grandes desafios, que exigem um compromisso total da UE ao mais alto nível , se queremos ter sucesso: a crise económica e as alterações climáticas.”

A UE está cada vez mais frágil em termos económicos. Com um por cento de crescimento, dificilmente vai poder manter o modelo social. Um dado agravado pelo facto de a China ter acabado de arrebatar à Alemanha o título de primeiro exportador mundial.