Última hora

Última hora

Espanha não quer sacrificar política social em nome da recuperação económica

Em leitura:

Espanha não quer sacrificar política social em nome da recuperação económica

Espanha não quer sacrificar política social em nome da recuperação económica
Tamanho do texto Aa Aa

Zapatero joga em todas as frentes para recuperar a confiança dos mercados na economia espanhola.

O primeiro-ministro compareceu ontem frente ao Senado para garantir que não haverá cortes na despesa destinada à protecção social e que qualquer reforma laboral será negociada calmamente, em acordo com os parceiros sociais.

Para garantir o apoio dos partidos de esquerda e dos sindicatos ao plano de recuperação da economia, o chefe de governo anunciou que vai prolongar por 6 meses o pagamento dos subsídios de desemprego de 426 euros que deveriam ter expirado em Janeiro. A medida atinge 500 mil pessoas entre as camadas mais pobres da população.

Um gesto simbólico com que Zapatero consolida o apoio dos sindicatos, depois de ter chegado a um acordo para limitar os aumentos salariais nos próximos dois anos entre 1 e 2,5%.

A viagem da ministra e do secretário de Estado da economia à City de Londres, no início da semana, e ontem a Paris foi bem recebida pelos investidores nos mercados de dívida.

O ministro do Desenvolvimento prometeu ontem mais controlos para evitar a pressão dos especuladores sobre a economia.

A grande prioridade passa pela redução do desemprego dos actuais 19% para os 15% até 2013.