Última hora

Última hora

Afeganistão: primeiras baixas da ofensiva da NATO em Marjah

Em leitura:

Afeganistão: primeiras baixas da ofensiva da NATO em Marjah

Afeganistão: primeiras baixas da ofensiva da NATO em Marjah
Tamanho do texto Aa Aa

A ofensiva da NATO em Marjah, no Sul do Afeganistão, provocou pelo menos 4 mortos entre as tropas ocidentais, desde o início da operação no Sábado.
 
Segundo as chefias militares, pelo menos dois soldados morreram quando um engenho artesanal explodiu ontem à passagem de um blindado.
 
Os Talibã afirmam ter destruído pelo menos um helicóptero de reabastecimento militar.
 
Eleva-se assim a quase uma dezena o número de baixas das operações da ISAF em todo o Sul do Afeganistão, nos últimos dias.
 
A morte de um soldado britânico no fim-de-semana, poderá ter-se tratado de um incidente de “fogo amigo”, disparado por soldados afegãos, segundo a imprensa britânica, uma informação desmentida pelos comandos militares.
 
Sob pressão da opinião pública internacional, a NATO afirma que uma das prioridades da missão é de limitar o número de baixas civis, apesar da morte de 12 habitantes num ataque, no domingo.
 
Quinze mil militares entre forças afegãs e soldados da ISAF participam na operação que tem por objectivo neutralizar um dos principais bastiões dos Talibã e um centro nevrálgico da produção de ópio.
 
Num gesto simbólico o governador da província de Helmand participou ontem numa operação de destruição dos campos de ópio na região.
 
“Uma vez terminada a operação militar vamos lançar vários projectos de reconstrução, vamos reinstaurar a lei e a ordem nestas regiões”, assegura o governador.
 
Uma intenção distante da realidade no terreno, onde, entre a população, o temor aos Talibã se soma à desconfiança face ao governo e às intenções das tropas ocidentais.