A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Israel sob pressão após assassínio de responsável do Hamas no Dubai

Israel sob pressão após assassínio de responsável do Hamas no Dubai
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O assassínio de um dirigente do Hamas no Dubai há duas semanas, aumenta a pressão diplomática sobre Israel e os serviços secretos do país.

O Reino Unido anunciou que vai abrir uma investigação à alegada utilização de passaportes britânicos falsos pelos assassinos, alegadamente agentes da Mossad.

O governo britânico convocou o embaixador israelita para protestar contra o sucedido, num momento em que o movimento palestiniano Hamas apela à vingança em Gaza.

Durante uma cerimónia em Jabalyia, o líder do movimento islâmico no exílio, Khaled Meshal pediu ao braço armado do Hamas para deixar de prometer vingança e passar imediatamente à acção.

A investigação das autoridades do Dubai permitiu identificar até agora 18 responsáveis do assassínio, a maioria com passaportes europeus, britânicos, alemães e franceses.

Alguns dos suspeitos rejeitam qualquer implicação no assassínio de Mahmoud al-Mabhouh, o responsável do Hamas pelas relações com o Irão.

Os últimos dados da investigação revelam que al-Mabhou teria sido torturado até à morte para revelar informação sobre as actividades do movimento.

A diplomacia israelita rejeitou ontem qualquer relação com o sucedido, apontando culpas ao Irão.

Para os analistas, os métodos utilizados e o recurso a passaportes falsos evocam os episódios mais sombrios da actividade dos serviços secretos israelitas.