Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Luzes e sombras nas relações dos Estados Unidos com a China

Luzes e sombras nas relações dos Estados Unidos com a China
Tamanho do texto Aa Aa

Barack Obama estava muito optimista no encontro com Hu Jintao, em Novembro passado: era a primeira viagem do presidente americano à China, e as relações bilaterais pareceram bem encaminhadas. Apesar dos sorrisos, as relações esfriaram em Janeiro.

Como explica o analista David Firestein, “obviamente, a China não gosta que o presidente e quaisquer outros dirigentes norte-americanos se encontrem com o Dalai Lama ou que os Estados Unidos vendam armas a Taiwan, como foi anunciado. Mas ao mesmo tempo, os políticos norte-americanos entendem a preocupação chinesa e sabem que essas decisões têm este tipo de conseqüências”.

Em fins de Janeiro, a Casa Branca anunciou a venda de armas a Taiwan. Uma transação de mais de seis mil milhões de dólares, que desencadeou a ira em Pequim.

A venda, que inclui helicópteros Apache, sistemas antimísseis e outro tipo de material militar, foi negociada pela administração Bush.Washington considera que a reacção da China durante o governo de Obama é desproporcionada.

As relações já tinham começado a esfriar em Setembro do ano passado, quando Obama criou impostos sobre os pneus chineses. Pequim respondeu com o aumento dos impostos sobre os automóveis americanos e sobre as importações aviárias.

A baixa cotação da moeda chinesa, o yuan, penaliza a balança comercial norte-americana. A China é credora de 750 mil milhões de dólares da dívida americana, o que é suficiente para desequilibrar o dólar nos mercados.

O analista norte-americano do EastWest Institute confirma: “esta soma enorme permite relativizar as acções de menor amplitude e, acho, nem a China nem os Estados Unidos, têm interesse em que as relações dencarrilhem.”

A China desfez-se de uma parte das obrigações americanas, cedendo-as ao Japão, que passa a ser o principal credor dos Estados Unidos.

Aparentemente, não há razões para alarmismos, apesar das críticas nacionalistas de parte a parte. Até agora tudo tem sido negociável…desde que se mantenha a face.