Última hora
This content is not available in your region

Bruxelas propõe interdição do comércio internacional do atum vermelho

Bruxelas propõe interdição do comércio internacional do atum vermelho
Tamanho do texto Aa Aa

Salvar o atum vermelho… A Comissão Europeia propôs aos Estados membros que proíbam, a partir do próximo ano, o comércio internacional da espécie ameaçada de extinção.

Bruxelas volta ao ataque, antes da conferência da CITES, o organismo da ONU que protege espécies ameaçadas, marcada para meados de Março no Dubai.

A interdição do comércio significa a proibição da pesca, o que será um duro golpe para os pescadores europeus. O mar Mediterrâneo é o principal local de pesca de atum vermelho.

Maria Damanaki, comissária europeia para a Pesca, diz estar “consciente dos custos, a curto prazo, que esta decisão vai ter nas pescas do Mediterrâneo”. Mas está “convencida que podem garantir um futuro viável para a pesca e os pescadores da zona”.

A proposta da Comissão Europeia prevê uma excepção. A interdição não abrange a pesca tradicional. França, Itália e Espanha, os países europeus que mais pescam atum vermelho, apoiam a medida, mas outros Estados membros contestam-na.

Contestação também por parte do Japão, que vai tentar bloquear a iniciativa na conferência da CITES.

Os nipónicos consomem sozinhos 80% do atum vermelho pescado no Mundo. Um petisco apreciado em sushi e sashimi, cujo comércio ronda os dois mil milhões de dólares por ano.