Última hora
This content is not available in your region

Atum vermelho em cima da mesa das negociações no Qatar

Atum vermelho em cima da mesa das negociações no Qatar
Tamanho do texto Aa Aa

A proibição da pesca do atum vermelho (ou atum rabilho) domina as discussões da cimeira da Convenção Internacional sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas, que se iniciou ontem no Qatar.

Estados Unidos e União Europeia querem que a espécie marinha, considerada em perigo de extinção, integre a lista de espécies marinhas protegidas.

O Japão, um dos maiores consumidores mundiais de atum vermelho, está contra a medida, juntamente com a Austrália, exigindo um reforço do controlo sobre a pesca da espécie no Atlântico e Mediterrâneo.

Para o responsável da delegação japonesa, “a culpa da situação actual é da frota pesqueira europeia, foram eles que se opuseram sempre às restrições impostas pelo Comité para a Preservação do Atum. E agora, de repente, afirmam que estão pura e simplesmente contra a pesca do atum”.

A União Europeia não tinha chegado a um acordo sobre o tema no ano passado, face à importância da pesca do atum vermelho para as frotas espanhola, francesa e italiana.

A proposta de proibir a pesca da espécie, apresentada pelo Mónaco, deverá ser votada na próxima quinta-feira no Qatar.

Segundo os biólogos, as reservas de atum rabilho diminuiram em mais de 80% nos últimos 30 anos. Os ecologistas apontam o dedo à pesca intensiva da espécie, levada a cabo pelas embarcações japonesas e europeias.