Última hora

Última hora

Prisão e desemprego para os "espiões" da Rio Tinto na China

Em leitura:

Prisão e desemprego para os "espiões" da Rio Tinto na China

Prisão e desemprego para os "espiões" da Rio Tinto na China
Tamanho do texto Aa Aa

O Tribunal de Xangai sentenciou, a penas de prisão entre os sete e os 14 anos, os funcionários do gigante mineiro anglo-australiano Rio Tinto, acusados de corrupção e espionagem industrial, na China.

A Austrália já reagiu. Camberra considera as penas do tribunal de Xangai “demasiado severas” mas diz que não afectarão as relações bilaterais sino-australianas.

Os quatro homens – um australiano e três chineses – foram detidos em Junho e acabaram por declarar-se “culpados”, embora contestem alguns pontos do processo, nomeadamente o valor das “luvas” que receberam.

Na sequência da sentença, a Rio Tinto já anunciou o despedimento dos funcionários, ao abrigo da política do grupo mineiro.

Um grupo de siderúrgicas chinesas foi apontado pelo tribunal como tendo subornado os quatro executivos da Rio Tinto com o objectivo de garantir o fornecimento de minério de ferro.