Última hora
This content is not available in your region

Governo do Quirguistão admite usar napalm contra bandidos

Governo do Quirguistão admite usar napalm contra bandidos
Tamanho do texto Aa Aa

No Quirguistão, o governo interino tenta, por todos os meios, manter a autoridade, mas a violência étnica continua a fazer vítimas.

Os novos detentores do poder, desde o levantamento popular de 7 de Abril, enviaram esta terça-feira, para alguns bairros dos arredores de Bichkek, centenas de militares e carros blindados para tentar controlar a situação às portas da capital. Várias pessoas foram detidas; a calma voltou nas últimas horas.

Entretanto, o governo interino tenta dialogar com os países vizinhos à procura de apoio. O vice-primeiro-ministro reuniu-se com o chefe do executivo do Cazaquistão.

Em conferência de imprensa Almaz Atambayev garantiu que não serão usadas armas contra a população civil, mas deixou o aviso: “Estou disposto a usar o napalm contra os bandidos em condições em que os cidadãos pacíficos não sejam atingidos”.

Os bandidos são, para o poder de Bishkek, os grupos armados da região de Osh no sul do Quirguistão, apoiantes do presidente deposto.

Koumanbek Bakiyev encontra-se na Bielorrússia, onde, segundo algumas fontes, prepara o regresso ao país para liderar a oposição.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.