Última hora
This content is not available in your region

Opinião pública descontente com endurecimento da austeridade espanhola

Opinião pública descontente com endurecimento da austeridade espanhola
Tamanho do texto Aa Aa

Sob pressão dos mercados, da União Europeia e mesmo dos Estados Unidos, Espanha anunciou um endurecimento do plano de austeridade para controlar o défice público.

José Luis Rodriguez Zapatero, que na semana passada descartava medidas adicionais, desculpou-se com o pânico recente entre os investidores, que pareciam temer que a quarta economia da Zona Euro seguisse o mesmo caminho que a Grécia.

A maioria das bolsas europeias reagiu com moderação ao reforço doloroso dos cortes na despesa pública anunciados pelo primeiro-ministro espanhol.

A redução de 5 por cento nos salários dos funcionários públicos e o seu congelamento em 2011 levou os sindicatos – pouco habituados a criticar o poder socialista – a evocar possíveis protestos.

Em Madrid, uma mulher diz que “as medidas deviam ter sido tomadas mais cedo. A população já previa isto, enquanto [o governo] dizia que estavam no bom caminho. Enganou a população”.

Outra diz que “os cortes deviam ser feitos noutra direcção, tal como meter as mãos nos bolsos dos bancos”.

O congelamento das pensões e o fim dos prémios por novos nascimentos são outras das medidas com as quais o executivo pretende reduzir o défice espanhol de 11,2 para seis por cento já em 2011.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.