Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Vinho inglês

Vinho inglês
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Esta vinha de 135 hectares plantada com castas diferentes, não se situa em França ou em Itália, mas sim em Inglaterra, a cerca de trinta quilómetros de Londres, e é a maior do país. Enquanto os especialistas debatem o aquecimento global, o vinho inglês parece beneficiar de melhores técnicas de cultivo e sobretudo de um clima mais quente.

“Estas são Chardonnay no tamanho ideal para serem colhidas.”

Esta cena multiplica-se um pouco por todas as vinhas britânicas, graças ao tempo seco e quente que se verifica durante o período de florescência. 2009 parece ter sido um ano particularmente bom para os produtores de vinho britânicos.

“Foi uma boa colheita, madura e abundante. O amadurecimento tem melhorado, o volume tem aumentado, os níveis de açúcar subiram e a acidez tem baixado.”

“Todos os anos fazemos mais vinho, este ano ainda não sei, mas teremos talvez entre 400 a 500 mil garrafas.

Alguns especialistas dizem que isto é apenas o início da revolução vinícula inglesa. A vitivinicultura britânica pode mudar radicalmente num espaço de tempo relativamente curto, se as temperaturas subirem conforme o previsto: dois a cinco graus no Sul de Inglaterra e cerca de dois na Escócia.

“Grande parte do Sul de Inglaterra será demasiado quente para a produção de vinho. Em 2080, é muito provável que haja vinhas na parte húmida das Highlands escocesas, a Côte d’Ecosse como pode ser chamada. Sempre tive a fantasia de ver vinhas na margem Norte do Loch Ness, que pode vir a ser apropriado para o Riesling, o Schönberger e outras castas alemãs.”

O professor Selley, autor de um estudo sobre o passado, o presente e o futuro das terras viniculas, cartografou o avanço e recuo das vinhas na Grâ Bretanha, desde o tempo dos romanos até à actualidade.

“Bem, na realidade há cerca de cinquenta anos, havia muito poucas vinhas, e o número foi aumentando bastante desde meados do século passado. Verifica-se também que ao longo do tempo o limite norte das vinhas modernas avançou até á fronteira anglo-escocesa.”

O número de vinhas oficialmente registadas no Reino Unido subiu de 333 em 2002, para 416 em 2008.

“Sentimos o aquecimento global e sendo assim decidimos nos últimos anos experimentar novas variedades, como o Sauvignon Branco, que nunca tinham sido plantadas no Reino Unido.
Há vinte anos foi um risco muito grande termos plantado Pinot Noir, que tem sido uma das nossas melhores produções. A qualidade do vinho espumante que produzimos actualmente no Reino Unido é muito alta. Temos concorrido internacionalmente e ganho medalhas de ouro, coisa que era impensável há vinte anos.”

Os britânicos parecem gostar do seu vinho, o que levou as vendas a quase duplicar nos últimos dez anos. Apesar da produção do vinho britânico não se comparar com a da Itália, ou com a de França, tudo leva a crer que as mudanças climatéricas irão provocar grandes alterações no panorama vinículo actual.