Última hora

Última hora

Gesto unilateral da Alemanha provoca novas divisões europeias

Em leitura:

Gesto unilateral da Alemanha provoca novas divisões europeias

Gesto unilateral da Alemanha provoca novas divisões europeias
Tamanho do texto Aa Aa

“Mensagem infeliz”, “balde de água fria”, “egoísmo” são as expressões que mais se ouvem a nível europeu depois do gesto unilateral da Alemanha. O governo de Angela Merkel proibiu a venda a descoberto de algumas acções e obrigações, apanhando de surpresa os mercados e os parceiros europeus e deitando por terra os esforços feitos para melhorar a coordenação europeia.

Karel Lanoo, Centro de Estudos Políticos europeus, defende: “Aquando da crise financeira em Setembro-Outubro de 2008, com a falência do banco Lehman Bothers, vários Estados membros proibiram a venda a descoberto de acções sem consultar os outros. O que vimos é que ainda não criaram uma coordenação pan-europeia. Devem ter sentido que era necessário agir depressa, mas isso indica que não há um reflexo europeu em muitas capitais. Não é apenas a Alemanha. O Reino Unido também implementou leis que se aplicam aos bancos europeus sem consultar os parceiros”.

Seguir ou não o passo alemão… a questão é colocada agora em Bruxelas.

As divisões entre os Vinte e Sete são profundas e as instituições europeias tentam limitar os danos, quer nas relações entre Estados membros quer para o euro e a sua estabilidade.

Para já a Comissão Europeia pediu um estudo para saber se a proibição da venda a descoberto deve ser alargada a toda a União.

A decisão alemã vai dominar a reunião do Ecofin esta sexta-feira, depois de Berlim ter evitado tocar no assunto no encontro de terça. Terão interesse em resolver o problema de coordenação, pois os especialistas avisam: “o euro estará em perigo sem uma governação ordenada”.