Última hora
This content is not available in your region

Alberto II lança discussões para formação do governo belga

Alberto II lança discussões para formação do governo belga
Tamanho do texto Aa Aa

O rei Alberto II da Bélgica lançou esta segunda-feira as consultas com vista à formação da próxima coligação governamental.

O primeiro líder partidário recebido pelo monarca foi Bart de Wever, curiosamente um notório anti-monárquico. Os seus separatistas da Nova Aliança Flamenga foram os grandes vencedores das legislativas na Flandres, com 27 assentos parlamentares.

O colunista do jornal flamengo Het Laatste Niews, Luc van der Kelen, acredita que “de Wever tem uma hipótese de sucesso, porque os partidos francófonos percebem agora a seriedade dos flamengos. E percebem também que se não respeitarem pelo menos algumas das suas exigências, as próximas eleições podem trazer uma maioria absoluta para os separatistas”.

De Wever mostrou-se disposto a abdicar da chefia do próximo executivo, mas o partido defende a independência da Flandres, propondo de imediato uma etapa intermediária – o “confederalismo” – com uma grande autonomia para as regiões belgas.

O jornalista francófono Philippe Dutilleul acredita que “actualmente, tornou-se bastante claro que os francófonos terão de sentar-se à mesa com os flamengos e ouvi-los. Agora é preciso ver em que medida estão dispostos a fazer concessões, nomeadamente, no que diz respeito a Bruxelas, à periferia e ao grau de autonomia, em termos de solidariedade, que vão exigir os nacionalistas flamengos”.

Os analistas acreditam que o rei confiará o cargo de formador do governo ao socialista Elio di Rupo, vencedor na Valónia com 26 deputados.

Se o líder do Partido Socialista chegar a acordo com os separatistas flamengos, poderá tornar-se no primeiro chefe do governo francófono desde os anos 70.