Última hora
This content is not available in your region

Bélgica assume presidência da UE em plena crise política

Bélgica assume presidência da UE em plena crise política
Tamanho do texto Aa Aa

A 1 de Julho, a Bélgica assume a presidência da União Europeia para os próximos seis meses. Mas, o evento parece não interessar a população. Será que esta presidência vai ser transparente, tendo em conta a crise política no país? Yves Leterme, o primeiro-ministro demissionário, terá de assumir a décima segunda presidência belga da União, na ausência de um novo governo.

A Bélgica garante que está pronta para esta presidência.

O certo é que as eleições legislativas, a treze de Junho, foram ganhas pelos separatistas flamengos do NVA. Bart de Wever foi designado “informador” pelo rei Alberto Segundo, mas a formação de uma coligação, com os vencedores francófonos do socialista Elio di Rupo, parece complicada e as discussões ameaçam prolongar-se. Em dois mil e sete foram precisos nove meses de negociações.

À espera do sucessor, Yves Leterme tenta tranquilizar os europeus e explica qual a sua visão para esta presidência semestral: “Acredito que é preciso ter em conta qual é o papel de um Estado membro que preside temporariamente aos destinos da União Europeia. É um papel – pelo menos é assim que nós o vemos – de facilitador, facilitar o processo de tomada de decisões ao nível europeu”.

A Bélgica quer deixar o protagonismo ao presidente do Conselho Europeu, Herman Van Rompuy, e à chefe da diplomacia, Catherine Ashton. O programa da presidência pretende ser concreto, centrando-se na economia, na luta contra a pobreza e na criação do serviço diplomático europeu.