Última hora

Hamas ameaça com mais exigências se não houver acordo para libertar Shalit

Hamas ameaça com mais exigências se não houver acordo para libertar Shalit
Tamanho do texto Aa Aa

O Hamas pressiona Israel para retomar as negociações com vista à libertação do soldado Gilad Shalit.

Telavive está mais do que nunca sob pressão da opinião pública hebraica, largamente favorável a uma troca de prisioneiros, segundo uma sondagem publicada na sexta-feira.

A família de Shalit iniciou no domingo uma marcha de doze dias acompanhada por milhares de israelitas. A meta será a residência do primeiro-ministro, com o objectivo de exigir a Benjamin Netanyahu um acordo que permita o fim dos quatro anos de cativeiro do jovem militar israelita.

Desde o exílio, na Síria, o líder do Hamas Khaled Mechaal afirmou que o movimento islamista está disposto a retomar as negociações indirectas. Mechaal advertiu, no entanto, que o Hamas “tem reivindicações específicas em troca e, quanto mais durar o processo, maior será a lista de exigências”.

O líder do movimento sublinhou ainda que “continuarão a ser capturados soldados e oficiais inimigos, enquanto [Israel] não libertar os prisioneiros [palestinianos]”.

Gilad Shalit, hoje com 23 anos, foi capturado a 25 de Junho de 2006.

Em troca da sua libertação, o Hamas exige a liberdade de centenas dos mais de 7000 palestinianos detidos em prisões israelitas, entre os quais líderes políticos e militares da Segunda Intifada.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.