Última hora
This content is not available in your region

Festival de Cinema de Karlovy Vary celebra 45 anos

Festival de Cinema de Karlovy Vary celebra 45 anos
Tamanho do texto Aa Aa

A passadeira vermelha já foi inaugurada em Karlovy Vary. Esta pequena cidade da República Checa recebe a 45a edição do seu Festival de Cinema.

Este é um dos mais antigos certames do género na antiga Europa de Leste. Um dos maiores orgulhos dos organizadores é conseguirem mostrar o cinema que se faz naquela região a espectadores de todo o mundo.

A competirem pelo Globo de Cristal, o principal prémio do certame, estão 12 filmes.

Da Argentina chega “Dois Irmãos” do realizador Daniel Burman.

Baseado no romance de Sérgio Dubcovsky, o filme aborda a aproximação e os problemas de comunicação entre dois irmãos quando estes entram na terceira idade.

O filme conta a história de Susana, uma agente imobiliária egoísta, possessiva e dominante, que parece incapaz de compreender o irmão Marcos. Mais sensível, bondoso, que protege a mãe.

O público pode ainda assistir ao cinema que se faz nas antigas ex-repúblicas soviéticas, numa competição especial intitulada:“Este do Oeste”.

Da Sérvia, “Woman with a Broken Nose” oferece a perspectiva de como várias pessoas podem ultrapassar os traumas do passado para conseguirem prosseguir com as suas vidas. Um evento trágico é o elo de ligação entre elas.

“O que posso dizer é que é um mosaico sobre a Belgrado de hoje e qual o estado de espírito das pessoas. E eu diria que que é uma espécie de transição emocional e uma tentativa de lidarmos com todos os problemas dos últimos 15 anos”, explica o realizador Srdjan Koljevic.

A concorrer para o Globo de Cristal está também “Black Field.” A acção passa-se num convento grego, em pleno século XVII.

Um jovem soldado chega ferido ao convento e é tratado por uma freira, por quem se apaixona. O filme tem como foco a identidade sexual.

O grego Vardis Marinakis ainda não obteve muitas reacções. “Algumas pessoas gostam e outras não. Creio que é como uma viagem visual… Emocional. Não obtive nenhuma reacção da Igreja Ortodoxa grega, na Grécia. Talvez não o vissem.”

A competir também para um Globo de Cristal esta produção italo-belga, “Hitler em Hollywood” com a portuguesa Maria de Medeiros.

A concorrer na categoria de documentário está a história bizarra de um americano que constrói uma pequena cidade cheia de pequenos soldados do tempo da Segunda Guerra Mundial, como parte do seu tratamento psiquiátrico.
Para o realizador, Jeff Malmberg esta foi também uma espécie de terapia.

“Penso que foi uma altura da minha vida em que procurava uma forma de chegar a uma pausa. Sempre tive curiosidade nas pessoas que o fizeram. E aqui está uma pessoa que começou a vida de uma maneira muito interessante. Creio que fui atraído por isso”, justifica.

Mark Hogancamp sofreu lesões cerebrais e perda de memória permanente após um ataque brutal. Como não conseguia pagar o tratamento criou-o por si. Construiu uma pequena povoação Belga, em miniatura, no seu quintal no período da Segunda Guerra Mundial.

O Festival de Cinema de Karlovy Vary apaga as luzes a 10 de Julho.