Última hora
This content is not available in your region

Meio século de descolonização levanta polémica em França

Meio século de descolonização levanta polémica em França
Tamanho do texto Aa Aa

Depois da vaga de descolonização do pós-guerra, nos anos 50, a França não pôde impedir a segunda vaga dos movimentos independentistas em África. No primeiro dia de Janeiro de 1960, os Camarões inauguraram a segunda vaga que afectou, no mesmo ano, 17 países africanos, dos quais, 13 colónias francesas.

De Agosto a Novembro, os Camarões, o Senegal, o Togo, Madagascar, Congo, Benim, Niger, Burkina Faso, Costa do Marfim, Chade, República Centro, Gabão, Mali e Maurícias declararam a independência.

Nas décadas seguintes, o continente africano ficou marcado pela instabilidade política, conflitos fronteiriços e descalabro económico. Tudo com a omnipresença de França, ex-potência colonial. Uma rede de influência a todos os níveis que deu origem a um termo e a um novo conceito, o da “FrançaAfrica”, empregue pela primeira vez em 1955 pelo antigo presidente da Costa do Marfim, Félix Houpouet Boigny.

Nikolas Sarkozy, antes de ser presidente repetiu a promessa de rever a política franco-africana que, segundo ele, favoreceu os ditadores em África desde de Gaulle a Chirac. Mas a promessa de reconsiderar as relações entre a França e as ex-colónias não se concretizou verdadeiramente.

Na cimeira de Nice, em Maio, em que estiveram os presidentes africanos eleitos democraticamente mas que se mantêm eternamente nos cargos, foi oficializado o convite das ex-colónias para a festa nacional de França, neste 14 de Julho.

Esta reunião de família está a provocar ranger de dentes. “Ver desfilar nos Campos Elíseos tropas chefiadas por criminosos” é a principal crítica da associação “Survie”. O secretário-geral, Olivier Thimonier, denuncia o facto de “França se interessar apenas em preservar os próprios interesses, sem nenhuma exigência democrática” .