Última hora

Última hora

BP estanca derrame de petróleo no Golfo do México

Em leitura:

BP estanca derrame de petróleo no Golfo do México

BP estanca derrame de petróleo no Golfo do México
Tamanho do texto Aa Aa

Há três meses que os habitantes da Louisianna aguardavam o anúncio da BP. A petrolífera britânica afirmou ter conseguido estancar a fuga de petróleo do poço submarino no Golfo do México. As próximas 48 horas serão decisivas para o êxito da operação depois do derramamento ter atingido a costa de várias regiões do Sul dos Estados Unidos.

As reacções dos habitantes da Louisianna oscilam entre entusiasmo e cepticismo:

“É uma excelente notícia, que poderá permitir finalmente que a cidade de Nova Orleães possa recuperar desta crise. As empresas sofreram prejuízos graves, agora é preciso limpar tudo e regressar à normalidade o mais rapidamente possível”.

“Demoraram demasiado tempo. Penso que poderiam ter resolvido este problema há mais tempo. Se sabem extrair petróleo também sabem como retirá-lo das águas do Golfo”.

“Já deviam ter agido há mais tempo. O furacão Katrina e este derramamento… duas catástrofes em cinco anos é demasiado”.

O desastre ecológico é o pior de sempre nos Estados Unidos. Durante três meses, 60 mil barris de petróleo diários foram derramados ao longo do Golfo do México, afectando a economia local, baseada no turismo e na pesca de marisco.

“Os prejuízos são irreparáveis. Há petróleo por toda a parte. Deveriam tê-lo deixado à tona de água em vez de dispersá-lo e de afundá-lo. Nunca vamos conseguir limpar a totalidade dos fundos marinhos”, afirma um pescador.

Manchado também pela catástrofe ecológica, o presidente Barack Obama, afirmou que o anúncio da BP representa “um sinal positivo”, lembrando que, “se trata ainda de um teste”.

Nas últimas horas, a BP colocou uma nova redoma de betão sobre o poço. O fluxo deverá começar a ser dirigido para um petroleiro fundeado no local à razão de 80 mil barris de petróleo diários.

A petrolífera britânica afirma poder selar o poço no próximo mês, tendo pela frente um novo desafio, igualmente difícil, o de limpar uma mancha submarina de mais de um quilómetro e meio de extensão.