Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Veredicto de Duch decepciona muitos cambojanos

Veredicto de Duch decepciona muitos cambojanos
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A sentença contra o chefe torturador dos Khmers Vermelhos não satisfez muitas das testemunhas e sobreviventes da era de Pol Pot, reunidas para ouvir o veredicto numa tenda no exterior do tribunal.

Várias vítimas e descendentes não conseguiram conter as lágrimas, face a uma sentença que fica muito aquém dos 40 anos pedidos pela acusação e da prisão perpétua que pediam muitos cambojanos.

O irmão de uma vítima diz que os seus sentimentos “são irrelevantes. O que interessa são aqueles que já não estão entre nós e o povo cambojano, que continua a sofrer” e, por isso, afirma que não está contente.

Um sobrevivente confessa “desespero” face a uma pena que considera demasiado leve e diz que os que ainda serão julgados poderão acabar libertados.

Face aos 67 anos de idade, outros consideram muito pouco provável que “Duch” venha a viver ainda em liberdade, mesmo com circunstâncias atenuantes.

A activista e sobrevivente Seng Theary afirma que “mesmo se ele não recebeu a prisão perpétua, passará o resto da vida na cadeia. Visto dessa forma, é [um veredicto] aceitável”.

Uma mulher que viu o pai morto pelos Khmers Vermelhos diz-se “aliviada”.

O tribunal patrocinado pela ONU deverá agora julgar outros quatro antigos dirigentes do regime de Pol Pot, entre os quais o “número dois” Nuon Chea, hoje com 84 anos.