Última hora
This content is not available in your region

Dissidentes cubanos em Madrid

Dissidentes cubanos em Madrid
Tamanho do texto Aa Aa

No dia 13 de Julho, sete dissidentes cubanos, a maioria eram jornalistas, chegavam ao aeroporto de Barajas, em Madrid.

Constituíam as primeiras libertações de um grupo de 75 cubanos que, na Primavera de 2003 foram condenados a duríssimas penas de prisão…

Esta libertação foi também fruto das negociações entre a Igreja Católica Cubana e Raúl Castro. E a realização de uma das promessas que o presidente cubano tinha feito ao governo espanhol.

No quadro dessas negociações estavam ainda a maior flexibilização da política de cooperação económica da UE com Cuba, que até agora tem condicionado a completa cooperação económica e a melhoria dos direitos humanos na “ilha de castro”.

Em nome dos resistentes, falou um dos cubanos do grupo:

“Somos os primeiros de um grupo de prisioneiros de consciência que mal tocou terra espanhola depois de mais de sete anos de injusto cativeiro.”

Mas a libertação dos presos políticos não é a única reivindicação da dissidência cubana. Também querem avanços para a democracia. Em primeiro lugar, certamente, liberdade de expressão e de imprensa.

A supressão da polícia política, nomeadamente a “secção 21” dos corpos de Segurança do Estado.

E enterrar a lei número 88, a chamada lei da “mordaça”, que prevê uma pena de 15 anos para aqueles que colaborem com meios de comunicação do “inimigo yankee” .

A oposição também reclama liberdade para poder viajar para o estrangeiro, para criar empresas e aceder à propriedade privada. Querem ainda que o governo cubano suporte o livre acesso às televisões internacionais por cabo.