Última hora
This content is not available in your region

"Salas de chuto" dividem maioria parlamentar francesa

"Salas de chuto" dividem maioria parlamentar francesa
Tamanho do texto Aa Aa

Está aberta a controvérsia no seio da maioria parlamentar francesa sobre a abertura de salas de injecção assistida.
As salas de salas de injecção assistida, ou “salas de chuto” já existem em nove países da União Europeia, incluindo Portugal.

Em França, a Ministra da Saúde, Roselyne Bachelot, propôs ao Senado no dia 19 de Julho que fosse estudada a hipótese de abrir salas de injecção assistida: “Um estudo recente confirma que os centros de consumo vigiado, onde os toxicómanos de drogas duras podem ir, têm interesse porque assim evita-se a contaminação pelos vírus da hepatite C ou da SIDA

Mas, se Gérard Larcher, o presidente do Senado, acolheu com agrado a proposta que Bachelot pôs em cima da mesa, já François Fillon, o Primeiro-ministro, rejeitou liminarmente a ideia.

Na Suíça, as salas de chuto são tidas como uma mais-valia, como refere um assistente social:“Aqui eles podem criar entre ele um tecido social. Contam-nos os seus problemas e pedem-nos conselhos.”

Apesar da rejeição do Primeiro-ministro, o presidente do Senado, insiste que o assunto deve ser devidamente discutido no âmbito de uma comissão parlamentar a criar para o efeito.