Última hora
This content is not available in your region

Presidente do Cazaquistão quer reavivar projecto soviético

Presidente do Cazaquistão quer reavivar projecto soviético
Tamanho do texto Aa Aa

Preocupado com a seca, o presidente do Cazaquistão pediu ao homólogo russo para ressuscitar uma ideia audaciosa do período soviético.

Noursoulan Nazarbaiev quer inverter o curso dos rios siberianos para as zonas populosas da Ásia Central, ameaçadas com o aprovisionamento de água.

O presidente russo Dmitry Medvedev diz que está pronto a discutir esta questão, ao mesmo tempo que lamenta o estado “deplorável” em que está o sistema de irrigação erguido durante a era comunista.

Durante anos a fio, os cientistas russos trabalharam no projecto megalómano para alterar o curso dos rios Lena, Ob e Ienissei, rumo às zonas populosas da Ásia Central. De acordo com os planos, os rios, que desaguam no oceano Ártico, passariam a abastecer o sul da Rússia e territórios vizinhos.

A ideia acabou por ser enterrada pelo presidente Michail Gorbatchev nos final dos anos 1980, mas continua a ter apoiantes.

20 anos antes, uma outra experiência foi demolidora. Os dirigentes soviéticos ordenaram o desvio do curso dos rios Amu Darya, no Uzbequistão, e do Syr-Daria, no Cazaquistão, para irrigar campos de algodão.

A audácia foi uma sentença de morte para o Mar de Aral, na altura o quarto maior lago do mundo. Tinha uma área aproximada de 68 mil km2, mas foi perdendo cada vez mais dimensão com o passar dos anos.

O lago deu lugar ao Aralkum e é hoje um deserto de sal e poluentes sólidos.