Última hora
This content is not available in your region

Turquia vota domingo no referendo para uma mudança constitucional

Turquia vota domingo no referendo para uma mudança constitucional
Tamanho do texto Aa Aa

A Euronews falou com o escritor e jornalista turco Roni Margulies.

Euronews: Senhor Margulies que significado tem este referendo para a Turquia?

Roni Margulies: Este referendo é organizado para votar numa pequena alteração à constituição. Trata-se de uma alteração pequena e insuficiente mas com muita importância.

Não tenho dúvidas da vitória do sim. A principal mudança será a tutela dos tribunais superiores, do Tribunal Constitucional e do Conselho Superior de Magistratura. De certo modo, a tutela militar sobre essas instituições será reduzida.

Isto significa um passo rumo à democracia, pequeno, frágil mas muito importante. Depois disso vamos continuar a trabalhar, pressionando e organizando campanhas para mudar toda a Constituição.

O que pensa do principal partido da oposição ter rejeitado uma reforma no sentido da democratização?

Roni Margulies: Quando fala da oposição, vem-me à cabeça o Partido republicano do povo, o CHP.

A posição dessa formação é muito clara: o Partido republicano do povo é um partido de Estado.

O processo que está a passar no país desde há 10 ou 15 anos poderia definir-se como um combate entre as forças civis e o estado.

A posição do CHP neste confronto é claramente conhecida: o seu objectivo é manter um statos quo estatal, os próprios o reconhecem de forma muito aberta.

Quando vimos isso, a oposição do CHP a todas estas modificações que diminuem o despotismo do estado, é completamente normal.

Euronews: A União Europeia apoia abertamente a reforma Constitucional. Mas se o resultado do referendo for o “Não”, como vai isso influenciar o processo de negociação entre a Turquia e a UE?

Roni Margulies: Que rumos vão tomar as negociações caso vença o “Não” isso não me interessa muito. O que me preocupa em caso da vitória do “Não” é que vamos continuar a viver durante décadas com a constituição herdada de um golpe de Estado em 12 de Setembro de 1982, nesta camisa-de-forças.

Porque vai ser muito difícil tentar mudar a constituição novamente. Aqueles que não querem a mudança vão dizer-nos que já tnhamos consultado o povo por referendo e que a resposta foi “Não”… Por isso a constituição não poder ser mais modificada.