Última hora
This content is not available in your region

Vitória no referendo não apaga divisões na Turquia

Vitória no referendo não apaga divisões na Turquia
Tamanho do texto Aa Aa

O povo turco disse “sim” à reforma da constituição e o AKP do primeiro ministro Recep Erdogan sai reforçado mas a Turquia continua dividida.

Este é o primeiro balanço após a ida às urnas para referendar as emendas à Constituição que desde 1982 geria o país.

A nova Lei Fundamental reduz a influência dos militares na política, situação exigida pela UE numa altura em que a Turquia negocia a sua adesão.

O primeiro-ministro aproveitou para apelar à mobilização de todos os círculos políticos para que se juntem a esta nova visão democrática.

A consulta obrigou ao confronto entre o partido islâmico de Erdogan e a tradição secular turca, que há oito anos se defrontam pelo poder e abriu boas perspectivas ao Partido da Justiça e do Desenvolvimento para um terceiro triunfo nas eleições do próximo ano.

Os analistas afirmam, no entanto, que as 26 emendas não transformam o fundo não democrático de um texto aprovado pelos golpistas há 28 anos. “Havia uma polarização entres os turcos e os resultados do referendo mostram que essa polarização ainda existe e vai continuar”, explica a analista Ayse Karabat.

As preocupações da oposição laica concentram-se sobretudo na modificação da estrutura das duas principais instâncias judiciais, o Tribunal Constitucional e o Conselho Superior de Magistratura.

A reforma prevê que o número de membros do Constitucional passe de 11 para 17, três dos quais nomeados pelo Parlamento, controlado pelo partido de Erdogan.