Última hora
This content is not available in your region

Operação medicalizada de resgate dos mineiros chilenos

Operação medicalizada de resgate dos mineiros chilenos
Tamanho do texto Aa Aa

Não há Manual que explique como preservar a saúde de pessoas bloqueadas a 700 metros de profundidade durante dois meses. A algumas horas da saída, os socorristas estão satisfeitos com as medidas tomadas até agora.
Os mineiros não sofreram doenças graves. As autoridades pediram ajuda a uma associação especializada para velar pelo bem-estar dos homens soterrados.

Alejandro Pino, Chilean Safety Association Manager, fez o ponto da situação:

“A preocupação do pessoal médico era com a eventualidade de um deles sofrer uma apendicite ou ter um cálculo renal. E nenhuma dessas doenças chegou a incomodar niguém…”

Os socorristas fizeram chegar aos mineiros material para testes regulares físicos e psicológicos.

Jean Romagnoli, da mesma associação mostra o que enviaram:

“Este é um modelo idêntico aos 11 que enviámos para baixo, para medir os batimentos do coração, a frequência cardíaca, arritmias, etc.”

Com boa saúde e moral de ferro, desde o princípio do aluimento. O que terá sido mais difícil terão sido os 17 primeiros dias sem comunicação. Agora, é a fase final, os testes aceleram-se
Um medico da marinha e outro da Companhia Mineira vão descer até à galeria subterrânea para os preparar para a saída.

Há perigo de hipertensão ou, ao contrário, uma queda de tensão arterial, pro causa da velocidade na subida. Outro motivo de preocupação é a possibilidade de coagulação sanguínea, que está a ser prevenida com aspirina, desde domingo.

Os 33 também vão vestir, para a subida, meias elásticas e cinta. Seis horas antes de subirem têm de beber um líquido preparado pela NASA para evitar os vómitos. A cápsula vai abanar bastante e rodar uma dezena de vezes nos20 minutos que dura a ascensão.

Nestas condições a gestão do stress é muito importante. Durante a operação de socorro mas também quando já estiverem livres, no caso de surgir stress pós-traumático.

Franco Utili, especializado neste tipo de síndroma explica que pode haver transtornos do sono, pesadelos, ataques de angústia, mudança de hábitos alimentares e tudo isto por a pessoa reviver o momento do resgate ou o momento em que ficou soterrada na mina”.

Até agora, os 33 mineiros demonstraram uma força de carácter, um companheirismo e um optimismo fora do comum. Qualidades que vão ser preciosas
nesta segunda vida depois da escuridão absoluta.