Última hora
This content is not available in your region

Ameaça de cólera paira sobre capital do Haiti

Ameaça de cólera paira sobre capital do Haiti
Tamanho do texto Aa Aa

Os baixos índices de saneamento e a ausência quase total de água potável fazem temer o pior no Haiti, uma vez que são terreno fértil para a propagação do surto de cólera.

De acordo com as autoridades do país a doença já fez mais de 250 vítimas mortais e atingiu até ao momento 3015 pessoas. O presidente haitiano René Preval fala em cólera “importada”, apesar de ainda se desconhecer a origem.

A pouco e pouco, as equipas médicas internacionais que combatem a doença no terreno começam a estabilizar o número de mortes, mas os casos de novos infectados não param de crescer.

A região mais atingida é a de Artibonite, onde o rio com o mesmo nome é considerado o foco da epidemia, como revela o médico Ian Rawson, do Hospital Albert Schweizert: “Sabemos que é cólera, mas desconhecemos como é que chegou ao fluxo de água. Sabemos que grande parte dos nossos pacientes tem bebido água da região de Artibonite perto da Ponte de L’Estére e da Pont Sondé. Mas estamos a começar a registar casos de pacientes que não vêm dessa zona”.

A epidemia, que alastra no Norte e no Centro do Haiti, já chegou à capital, Port-au-Prince, onde as Nações Unidas confirmaram os cinco primeiros casos. Existem indícios de que o surto já poderia ter transposto a fronteira para a vizinha República Dominicana, que recebe muitos turistas.

A cólera é transmitida pela água, mas também por alimentos que tenham estado em contacto com água imprópria para consumo.

A doença provoca diarreias agudas. Sem tratamento imediato e hidratação pode ser fatal em poucas horas.

Mal refeito do sismo de há dez meses, o Haiti é agora ameaçado por uma nova catástrofe, igualmente ameaçadora.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.