Última hora
This content is not available in your region

Robert Kuhn analisa reacção da China ao Prémio Nobel da Paz

Robert Kuhn analisa reacção da China ao Prémio Nobel da Paz
Tamanho do texto Aa Aa

O Prémio Nobel da Paz trouxe à tona as divisões profundas entre a China e o Ocidente, que têm estado escondidas, de certa forma, pelas relações comerciais crescentes. Para discutir as implicações deste processo junta-se a nós Robert Kuhn, analista e autor do livro “Como os líderes chineses pensam”.

Euronews – Dr. Kuhn, a China apelou ao boicote da cerimónia de entrega do Prémio Nobel da Paz. Que tipo de pressão fez a China sobre outros países para não comparecerem?

Robert Kuhn – “Esta foi a pior performance política internacional da China, lembrando especialmente o despertar do colapso norte-coreano. Temos de voltar às origens e elas começam com a crença dos líderes chineses em que a única forma de erguer a China de um nível de pobreza e indigência e converter o país num estado moderno é através do domínio e monopólio do Partido Comunista. Um líder disse-me, em privado, ‘Não gosto do facto de Liu Xiaobo estar na cadeia, mas não temos outra opção?’ É assim que eles pensam”.

Euronews – Sabemos que há uma luta no seio da liderança chinesa sobre qual a direcção a tomar no futuro. A reacção radical ao Prémio Nobel mostra que os falcões têm o poder?

Robert Kuhn – “Penso que não há uma luta assim tão grande sobre esta questão. Há alguns líderes, neste caso, que não estão só a olhar para a questão muito racionalmente, em termos do domínio do partido, estão visceralmente irritados. Irritados por causa daquilo que entendem ser uma conspiração do Ocidente contra a China, orquestrada pelos Estados Unidos, usando para isso o chamados pequenos países europeus como vassalos para embaraçar a China, para conter a China. Há também a questão das pessoas comuns. Enquanto uma minoria significativa de chineses, particularmente nas áreas urbanas, quer maior liberdade na Internet, e certamente liberdade política, a maioria das pessoas sente da mesma maneira, que a China está a ser reprimida e embaraçada pelo Ocidente. Assim sendo, em qualquer combate político entre o nacionalismo e o patriotismo, por um lado, e uma reforma política, o patriotismo nacional vence e triunfa sobre a reforma política. É este o cenário.”

Euronews – Assistimos recentemente a um certo reflorescimento do confucionismo. A China lançou o próprio Prémio Confúcio. Até que ponto é que os princípios confucionistas como obediência compreensão são compatíveis na China moderna onde, de certa forma, a ganância é positiva?

Robert Kuhn – “Bom, essa é uma questão interessante. Penso que o que se tem na China é claramente uma mudança em relação ao passado, onde o indivíduo auto-sacrificado era o ideal, e numa economia de mercado isso é um desastre. Por isso teve de haver esta aproximação onde as pessoas têm de ter liberdade económica se não liberdade política. Mas nesse ambiente houve uma evaporação da moralidade, num sentido, porque a velha ideologia comunista de dar ao Estado, sendo altruísta, não estava obviamente a funcionar numa economia de mercado.”