Última hora
This content is not available in your region

Críticas ao Galileo fazem cair dirigente da OHB Technology

Críticas ao Galileo fazem cair dirigente da OHB Technology
Tamanho do texto Aa Aa

O sistema europeu de navegação por satélite, Galileo, “é uma ideia estúpida”, defendida pelos militares franceses, um desperdício do dinheiro dos contribuintes europeus”: as polémicas declarações custaram o emprego a Berry Smutny. O ex-diretor geral do fabricante alemão de satélites OHB Technology nega ter feito tais críticas, reveladas pelo WikiLeaks e por um jornal norueguês.

A OHB Technology ganhou, no ano passado, o contrato para fornecer 14 dos 30 satélites do Galileo, no valor de mais de 560 milhões de euros.

Mais um embaraço para o comissário europeu para a Indústria, que apresentou esta terça-feira os avanços do projeto. Segundo Antonio Tajani, “o patrão da OHB diz que acredita no Galileo. Depois desta história, enviou uma carta, dizendo que acredita no Galileo. Sabem, o WikiLeaks não é a Bíblia”.

O sistema europeu de navegação por satélite já é alvo de muitas críticas, devido aos constantes atrasos e à derrapagem dos custos. Nos próximos 20 anos deverá custar 20 mil milhões de euros. Mas é essencial, segundo o ex-cosmonauta checo e atual eurodeputado, Vladimir Remek: “China, Japão, Índia, Estados Unidos ou Rússia já desenvolveram ou estão a desenvolver um sistema de navegação por satélite. Se a Europa quer manter a competitividade tem de avançar com o Galileo”.

O Galileo, concorrente do americano GPS, deveria estar operacional em 2014, mas a Comissão Europeia fala agora em 2020.