Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Kuhn: "Quem estiver à espera de grandes anúncios ficará desapontado"

Kuhn: "Quem estiver à espera de grandes anúncios ficará desapontado"
Tamanho do texto Aa Aa

Esta é uma grande semana para as relações sino-americanas mas será que vai ficar para a história?

Neil O’Reilly, euronews:
Connosco encontra-se Robert Lawrence Khun, autor de “Como Pensam os Líderes Chineses”.
Dr Kuhn, em entrevistas recentes à imprensa americana o presidente chinês, Hu Jintao, tem falado de uma rutura com o passado. Considera esta viagem um primeiro passo para o Grande Salto em Frente nas relações entre a China e os Estados Unidos?

Robert Lawrence Khun: – Este último ano tem sido talvez o pior nas relações sino-americanas desde 1972 quando as duas capitais recomeçaram a falar. O que se passou em 2010 foi que existem problemas económicos, défices comerciais, diferendos quanto à política monetária, que afetaram os dois países.

Além disto houve ainda a questão da venda de armas a Taiwan, o problema dos Direitos Humanos e o Prémio Nobel da Paz, e um discurso agressivo de Pequim no Mar da China Meridional. Portanto, neste momento, tanto o presidente Obama como o presidente Hu disseram inteligentemente: “vamos dar um passo atrás”, vamos aproveitar esta ocasião para recomeçar de novo, para falar. Embora eles devam discutir questões tão importantes quanto o ambiente e a mudança climática, Taiwan ou os Direitos Humanos, o que acaba por ser mais importante é o convite do Presidente Obama ao Presidente Hu para um jantar privado na Casa Branca.

euronews:
Qual deles acha que ficará mais feliz no final da viagem?

Robert Lawrence Khun:
Bem, eu acho que os chineses têm uma melhor perceção do que pretendem em termos simbólicos, enquanto os americanos buscam respostas concretas, ajuda específica em questões como a Coreia do Norte ou o Irão, o comércio ou o valor da moeda chinesa. E penso que vão existir progressos em todas as questões embora sejam mínimos. Quem estiver à espera de grandes anúncios ficará desapontado.

euronews:
Existe a ideia de que esta visita é afinal mais importante para o Presidente Hu que para o Presidente Obama

Robert Lawrence Khun:
Eu creio que é importante para ambos. O presidente Obama saiu de uma eleição na qual sofreu uma derrota importante e agora está já a olhar para as presidenciais e para o que tem de fazer. O emprego é importante, a forma como lida como a política externa, como é que ele pode criar a perceção de que a economia americana está a avançar de novo, e o papel da China é fundamental para tudo isto. Quanto ao presidente Hu, ele está chegar ao termo do seu segundo mandato, dez anos na chefia do Estado, e está preocupado com a herança. Ele já se encontrou sete vezes com o presidente Obama mas esta é a primeira vista de estado de um dirigente chinês na administração Obama e por isso é importante. Ser recebido em Washington com a pompa e a circunstância com que a América receberia o seu melhor aliado, e é isto que vai acontecer, é uma parte importante da herança do presidente Hu Jintao e algo que ele vai recordar.