Última hora
This content is not available in your region

Haiti, Amnistia Internacional quer investigar Duvalier

Haiti, Amnistia Internacional quer investigar Duvalier
Tamanho do texto Aa Aa

No Haiti, uma centena de apoiantes juntaram-se, sexta-feira, para apoiar “Baby Doc”.
 
O antigo ditador Jean-Claude Duvalier regressou
ao país, no início da semana, e a justiça haitiana já o acusou de desvio de fundos e abuso de poder durante os anos que esteve no poder, entre 1971 e 1986.
 
Duvalier foi deixado em liberdade mas está
proibido de sair do país.
 
As razões do seu regresso ao país não foram esclarecidas por “Baby Doc”:
“Desde o momento em que decidi voltar ao Haiti para comemorar este triste aniversário com vocês no nosso país, eu tenho estado a aguardar por todos os tipos de perseguição.”
 
A Amnistia Internacional quer aproveitar a presença de Duvalier no país para avançar com uma investigação sobre o antigo ditador, revelou Gerrado Ducas da Amnistia Internacional:
“Ele tem de permanecer no Haiti enquanto a investigação durar. Pode ser 3 meses, pode ser 1 ano, pode ser 2 anos; mas Duvalier tem de permanecer no Haiti.”
 
O regresso de Duvalier ao Haiti fez
crescer a instabilidade criada pelo impasse eleitoral das presidenciais, cujo resultado preliminar
da primeira volta, de 19 de dezembro segundo a Organização dos Estados Americanos, “contem irregularidades” e deve de ser corrigido.
 
O candidato Michel Martelly, apoiado por Nações Unidas e Estados Unidos, foi afastado da corrida presidencial na primeira volta mas deseja ser reintegrado na lista de candidatos para a segunda volta.
 
O conselho eleitoral pode vir a proclamar os resultados definitivos da primeira volta no fim do mês.
 
Os representantes da ONU esperam que a segunda volta se realize em meados de fevereiro.
 
O Haiti, que foi devastado por um sismo há um ano, encontra-se numa situação sanitária desastrosa, com uma epidemia de cólera.