Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Projeto europeu desenvolve camas robóticas para hospitais

Projeto europeu desenvolve camas robóticas para hospitais
Tamanho do texto Aa Aa

Um projeto financiado pela União Europeia está a desenvolver camas robóticas.

“Desenvolvemos uma cama médica para pacientes que passam muito tempo na cama. A nossa cama ajuda os pacientes a movimentarem-se sem assistência. O dispositivo reconhece as intenções dos pacientes o que ajuda a prevenir as feridas e outros problemas que surgem quando se está muito tempo acamado”, explica Óscar Valdemoros, gestor da fabricante de camas Spaldin.

A cama dobra-se na vertical e lateralmente, o que dá mais conforto ao paciente sem necessidade de comando à distância.

“O paciente só tem de fazer um ligeiro movimento, e a cama muda de forma automaticamente”, afirma o responsável.

A cama é comandada por um programa de inteligência artificial que interpreta as mudanças de pressão das diferentes partes do corpo.

“Quando o paciente se move os sensores captam a pressão, as informações são enviadas para o computador central que vai mover os motores da cama”, explica Óscar Valdemoros.

Com o envelhecimento da população europeia, o mercado das camas médicas cresce a uma taxa anual de 9%.

Depois de receber a certificação europeia, este dispositivo inovador deverá responder às necessidades do mercado e dar mais autonomia aos idosos e aos deficientes.

“Este produto tem um grande impacto no mercado porque há muitos hospitais com doentes que precisam de mudar de posição e de cuidados diários”, afirma Manuel Chica, engenheiro na Inspiralia, empresa espanhola de I&D.

Este dispositivo é igualmente útil para o pessoal hospitalar. 85% dos enfermeiros têm problemas na coluna o que custa cerca de 6 mil milhões de euros aos hospitais europeus.

“A cama foi concebida para responder a dois tipos de problemas: primeiro para ajudar os próprios pacientes que precisam de mover-se e em segundo lugar para ajudar os sistemas de saúde da União Europeia a evitar baixas causadas pelos esforços feitos pelos enfermeiros. Muitas vezes os doentes são pesados e precisam da ajuda dos enfermeiros. Esta cama resolve também esse tipo de problema”, refere Óscar Valdemoros.

eposbed.pera.com