Última hora
This content is not available in your region

"Há dados inquietantes" sobre central de Fukushima

"Há dados inquietantes" sobre central de Fukushima
Tamanho do texto Aa Aa

Para compreender o que se passa na central nuclear de Fukushima Daiichi, a euronews entrevistou Jean Mathieu Rambach, perito do Instituto Francês de Radioproteção e Segurança Nuclear.

Jean Mathieau Rambach: O que percebemos, é que houve uma explosão de hidrogénio que se concentrou na estrutura metálica em cima do reator. A caixa de confinamento está intacta. É muito diferente de Chernobil.

Euronews: Num nível de risco, qual acha que é o risco?

JMR: Há um risco de fusão do núcleo. Por isso, agora estão numa fase de arrefecimento de um núcleo que tem muito pouco reação nuclear. Em Chernobil, a explosão ocorreu com o núcleo em plena atividade.

EN: Há o risco de haver um acidente grave à escala mundial?

JMR: Estamos perante um acidente de grande envergadura da mesma ordem de Chernobil, pelo menos potencialmente. Até ao momento, há dados inquietantes, ou seja a produção de hidrogénio. No entanto, o elemento positivo é que a caixa de confinamento continua funcional.

EN: Houve uma explosão num dos reatores mas há outros que também tem um problema no seu sistema de arrefecimento?

JMR: Efetivamente há outro, mas sobre esse temos poucas informações. Estamos a tentar perceber o que se passa, mas temos poucas informações.

EN: Não há qualquer informação por parte das autoridades japonesas?

JMR: Não, não temos informações.

EN: Sabe porquê?

JMR: Não. A versão otimista é que não grande coisa a dizer. Versão pessimista, eles escondem qualquer coisa. Acho que seja assim.

EN: Com a paragem do funcionamento das centrais há o risco de afetar profundamente e durante algum tempo a produção de eletricidade na ilha?

JMR: Sim, claro. Acho que durante vai ser muito difícil para eles.