Última hora
This content is not available in your region

Forças de Khadafi recuperam bastiões rebeldes

Forças de Khadafi recuperam bastiões rebeldes
Tamanho do texto Aa Aa

As imagens não foram gravadas livremente e mostram a cidade de Tripoli aparentemente calma em relação ao caos que se viveu quando o regime do Coronel Kadhafi estava prestes a cair durante a ofensiva dos insurgentes.

As forças leais a Kadhafi conseguiram inverter a situação e reconquistaram várias cidades rebeldes com todo o arsenal ao dispor.

Há uma guerra civil em curso, mas em Tripoli não se vê nada, assegura o corresponde da Euronews, Ryad.

“Foi aqui que Kadhafi proferiu o discurso em que prometeu incendiar a Líbia. Mas, em Trípoli, a capital do país, nada indica que há guerra noutros pontos do país, como em Ras Lanouf ou Zawiyah.”

Na capital, os cidadãos pró-Kadhafi são os únicos que se atrevem a falar. O risco é demasiado grande para os outros. As forças governamentais reprimem violentamente qualquer oposição com detenções arbitrárias, desaparecimentos e tortura.

O medo e a propaganda são usados como armas de guerra psicológica, tão letais como as de fogo. O porta-voz do exército, no fim de semana, demonstrou como funciona:

“Está tudo muito bem, a maioria das cidades atacadas foi libertada. Nem sequer foi necessário uma grande ofensiva, porque não passam de um bando de ratos a aterrorizar os civis. Em todas as cidades em todas as zonas onde chegam as Forças Armadas do Povo, eles limitam-se a levantar as mãos e a render-se.”

Nem os protestos internacionais, nem o embargo sobre as armas ou as sanções financeiras…nada parece travar a determinação de Khadafi, que, de qualquer modo, prometeu morrer como mártir na Líbia natal. E tem meios para esmagar a revolta. Mesmo que renuncie aos bombardeamentos tem supremacia militar em realção aos rebeldes.

Kadhafi também conta com o apoio incondicional das milícias. A famosa quinta brigada, conhecida como Brigada Khamis, está especialmente bem equipada e treinada.

Também há um aparelho de segurança interna, os mercenários e os apoios tribais.

Toda uma rede de pessoas dispostas a darem a vida pelo regime.