Última hora
This content is not available in your region

Renault pede desculpa por engano em caso de espionagem industrial

Renault pede desculpa por engano em caso de espionagem industrial
Tamanho do texto Aa Aa

A Renault fez “mea culpa”: a construtora automóvel francesa pediu desculpas publicamente por ter despedido três executivos, acusados de espionagem industrial, num caso que afinal parece ter sido inventado para extorquir dinheiro à empresa.

Diz o presidente do grupo, Carlos Ghosn: “Enganei-me, enganámo-nos, depois das conclusões do procurador chegámos à conclusão que as informações de que dispúnhamos estavam erradas”.

Ghosn diz que está apostado em reabilitar a imagem da Renault, depois do golpe que sofreu com este escândalo.

Quem também quer reabilitar a imagem são os executivos despedidos, como explica Thibault de Montbrial, advogado do antigo vice-diretor da filial de carros elétricos, Mathieu Tenenbaum: “Vamos agora ver se essas desculpas significam para a Renault o mesmo que significam para o meu cliente, tendo em conta o que ele passou, quer no plano profissional, quer pessoal e de saúde, com estes três meses terríveis”.

Ainda não se sabe se a Renault vai ou não reintegrar os três quadros.

O alegado autor das denúncias contra os três executivos da Renault foi já preso. A carta anónima terá origem num alto funcionário da segurança interna da Renault, Dominique Gevrey.

O Estado francês é detentor de 15% do capital da Renault. O governo de Paris está furioso por não ter sido informado de nada do que se estava a passar.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.