Última hora

Última hora

Crise na Líbia expõe fragilidades da diplomacia da UE

Em leitura:

Crise na Líbia expõe fragilidades da diplomacia da UE

Crise na Líbia expõe fragilidades da diplomacia da UE
Tamanho do texto Aa Aa

No seio da coligação, na qual participam lado a lado a União Europeia, a França, Grã-Bretanha, Itália, Bélgica, Dinamarca, Grécia e Espanha, vivem-se momentos dramáticos que trazem à memória as divisões que antecederam a ofensiva liderada pelos norte-americanos no Iraque. Agora, o motivo é a Líbia e o pomo da discórdia é a liderança que alguns países pretendem atribuir à NATO.

Na cimeira do fim de semana passado em Paris ficou claro que a diplomacia europeia ainda não fala a uma só voz. As diferenças entre a Alemanha de um lado, e a França e Grã-Bretanha do outro, ilustram o longo caminho que ainda há a percorrer.

A Alta Representante para a diplomacia europeia, Catherine Ashton, é acusada de falta de iniciativa política. O presidente francês, Nicholas Sarkozy, é visto como tendo agido apressadamente enquanto a chanceler alemã, Angela Merkel é acusada de ter sobreposto interesses eleitorais às prioridades internacionais.

Entretanto levantam-se vozes que reclamam que seja a NATO a dirigir as operações. O primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi e o líder britânico, David Cameron, afirmam que o comando da NATO é a via a seguir.

Paris discorda e afirma que se a NATO dirigir a intervenção, os países árabes vão demarcar-se e acabarão por denunciá-la.

Aguardam-se mais desenvolvimentos esta quinta-feira na sequência de um encontro do Conselho de Segurança para debater a situação na Líbia.