Última hora
This content is not available in your region

Radioatividade no mar preocupa japoneses

Radioatividade no mar preocupa japoneses
Tamanho do texto Aa Aa

Os engenheiros japoneses encarregues de lidar com o arrefecimento dos reatores da central nuclear de Fukushima passaram a utilizar água doce em vez de água do mar com receio de corrosão.

É é justamente na água de mar que as atenções de concentram. Junto à central foi detetado iodo muito radioativo.

Um porta-voz do governo garantiu não haver para já “qualquer impacto na vida marinha, especialmente a 20 quilómetros de distância”. Acrescenta que os peritos dizem que “hipótese é muito remota mas que mesmo assim é preciso monitorizar com insistência”.

E para atestar a veracidade das informações transmitidas pelo governo, sobre a radioatividade, a Greenpeace está a medir os arredores da central.

“Estamos aqui em Tushima, a cerca de 35 quilómetros da central de Fukushima e a radiação aqui é elevada. As pessoas a viverem aqui receberiam a dose anual em apenas alguns dias, quatro dias, e isso é inaceitável. As pessoas deviam ser todas evacuadas desta zona”, diz um ativista.

Um perito em energia nuclear da Greenpeace diz que os níveis de radioatividade já permitem classificar o acidente com o nível 7, o máximo, idêntico ao de Chernobyl.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.