Última hora
This content is not available in your region

Ouattara quer Gbagbo vivo

Ouattara quer Gbagbo vivo
Tamanho do texto Aa Aa

Foram momentos de guerra intensa, esta manhã, com as pessoas à procura de refúgio.

Há um milhão de deslocados e 100 mil marfinenses já abandonaram o país.

A chegada das tropas de Alassane Ouatarra a Abidjan intensificou os combates que estão suspensos, desde meio da tarde desta quarta-feira.

São agora nove mil efectivos leais a Ouattara, à espera que Gbagbo e o seu exército se rendam.

Desde segunda-feira, que havia esperanças de uma solução política que, no entanto, está a tardar.

Ouattara quer apanhar o rival vivo e sujeitá-lo à justiiça.

A portavoz de Ouattara diz que o presidente eleito não quer que, no seu mandato, alguém goze de impunidade:

“É verdade que Alassane Ouattara pediu para o senhor Gbagbo ser preso vivo. Mas, ao mesmo tempo, ele é contra a impunidade. Ele disse que não quer impunidade no seu mandato e todo aquele que cometa atos violentos será preso, julgado e punido”.

Pode estar aqui a chave para tanta resistência. Gbagbo não deve querer sujeitar-se à justiça. E essa será a vontade do rival.

As tropas das Nações Unidas, que há dois dias pediram o reforço dos efectivos franceses, mantiveram-se afastadas da zona de combates, situada no bairro onde está a residência presidencial.

Laurent Gbagbo já não conta com a fidelidade de muitos comandos miliatres. E portanto, a sua resistênica poderá não durar muito mais tempo.