Última hora

Última hora

Conselho da Europa reforça luta contra pena de morte

Em leitura:

Conselho da Europa reforça luta contra pena de morte

Conselho da Europa reforça luta contra pena de morte
Tamanho do texto Aa Aa

Em nome de um continente livre de execuções, o Conselho da Europa passou uma resolução que insta a Bielorrússia a por fim a tal prática, de uma vez por todas.

Enquanto observadores do Conselho, os Estados Unidos e o Japão também receberam semelhante apelo.

O Trabalho da organização para abolir a pena de morte ainda não terminou.

Investigadores dizem que no ano passado 23 países realizaram execuções.

“Fizemos investigação em 90 países, bem como em dois territórios, Palestina e Tailândia, que ainda contemplam a pena de morte na lei. Alguns destes países aplicam a pena de morte com execuções. Outros apenas a têm por uma questão legal, mas nunca a aplicam”, revela Sandra Babcock, da Universidade de Direito de Northwestern.

A resolução coincide com o lançamento de um site e de uma base de dados internacional sobre a pena de morte, numa tentativa de impulsionar a defesa dos direitos humanos.

Os parlamentares do Conselho, que escreveram o documento, sublinham que a abolição da pena de morte é um pilar fundamental na organização com 47 Estados-membros.

“A decisão tomou-se depois da queda da Cortina de Ferro. Penso que se trata de uma das coisas mais importantes que o Conselho da Europa implementou para aceitar uma candidatura de adesão”, diz Renate Wohlwend, do Partido Popular Europeu.

O objetivo final é fazer com que a Europa seja um espaço político livre da pena de morte. Razão pela qual a Bielorrússia é o único país do velho continente que ainda não faz parte do Conselho.

Uma jornada mundial de sensibilização, impulsionada, entre outras instituições e organismos, pela União Europeia e pelo Conselho da Europa, assinala-se a cada mês de outubro.