Última hora
This content is not available in your region

Gestão do acidente de Chernobyl foi desastrosa

Gestão do acidente de Chernobyl foi desastrosa
Tamanho do texto Aa Aa

No dia 26 de abril de 1986 a direção da central nuclear de Chernobyl decidiu aproveitar uma paragem prevista do reator número 4 para fazer um teste de segurança. A prova começou à 1.23 horas da madrugada. Um minuto depois, o engenheiro que estava ao comando escreveu no diário “golpes fortes, as barras do sistema de proteção desativaram-se”.

Deu-se uma subida incontrolável de potência, que desencadeou duas explosões seguidas de incêndios.

O coração do reator 4 tipo RBMK ficou destruído. Uma núvem altamente radioativa elevou-se no céu.

Dois dias mais tarde, uma taxa inabitual de radioatividade foi detetada na Suécia, que evacuou a central de Forsmark, antes de se aperceber que a núvem vinha de leste.

Na verdade, as autoridades fizeram tudo por esconder a catástrofe que se estava a dar em Chernobyl. De início a explosão causou dois mortos: um operário morto no momento – o copro nunca foi encontrado, e um outro que morreu, horas depois, no hospital.

Os bombeiros que foram a apagar o incêndio, sem proteção alguma, receberam radiações muito altas. As autoridades tentaram arrefecer o reator com 4.000 toneladas de sacos de chumbo e de areia.

A gestão da catástrofe foi desastrosa. Os 48 mil habitantes de Pripyat, a 3 quilómetros de Chernobyl, foram vítimas da lei do silêncio das autoridades.

A evacuação local só começou a 27 de abril, ao início da tarde do segundo dia depois da explosão. A investigação havia de revelar os erros de manipulação e de construção do reator soviético.