Última hora
This content is not available in your region

Obama diz Al Qaeda vai tentar novos ataques

Obama diz Al Qaeda vai tentar novos ataques
Tamanho do texto Aa Aa

O fim de um pesadelo, que terminou com uma vitória que demorou anos.

Os Estados Unidos conseguiram acabar com o seu maior inimigo.

A morte de Bin Laden foi confirmada ao mundo pelo presidente Barack Obama.

A preparação da operação começou em Agosto. Mas Obama deixou outros avisos:

“No último mês de Agosto, depois de anos de trabalho muito cuidadoso da nossa comunidade de informações, fui informado da possível pista de Bin Laden. Era distante e foram precisos vários meses para colocar em funcionamento essa pista.

Reuni-me várias vezes com a minha equipa de segurança nacional, enquanto procurávamos mais informação sobre a possibilidade que tínhamos encontrar Bin Laden que estava escondido dentro do Paquistão. E, finalmente, na semana passada, eu decidi que tínhamos informação suficiente para iniciar a ação e autorizei a operação para capturar Bin Laden e apresentá-lo à justiça”.

E a ordem para o início da operação partiu do próprio Obama:

“Hoje, os Estados Unidos, sob a linha direção, lançaram a operação em Abbottabad, no Paquistão.

Uma pequena equipa de americanos desencadeou a operação, com uma extraordinária coragem e capacidade. Nenhum americano foi afectado. Houve todo o cuidado para evitar baixas civis. Depois de uma troca de fogo, Osama Bin Laden foi morto e o seu corpo ficou sob a nossa custódia”.

Ficou o sentimento de que, finalmente, foi feita justiça:

“Esta noite, podermos dizer às família que aqui perderam os seus entes queridos que justiça foi feita”

Mas Barack Obama deixou alguns avisos:

“A morte de Bin Laden é o marco mais significativo dos esforços da nossa nação, para derrotar a al Qaeda. Mas a sua morte náo é o fim dos nossos esforços. Não temos dúvidas que a Al Qaida vai continuar a desencadear ataques contra nós. Devemos ficar vigilantes, tanto no nosso território, como no exterior.
Numa noite como esta, recuperámos o sentido de unidade que prevalecia em 11 de Setembro. Eu sei que passámos por tempos difícies, contudo estou hoje convencido da grandeza do nosso país e da determinação do Povo americano. A questão da segurança do nosso país não está completa mas hoje, recordamos que a América está no nosso pensamento. Isto é uma estória da nossa Historia”.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.