Última hora

Última hora

Bruxelas defende participação dos privados no resgate da economia grega

Em leitura:

Bruxelas defende participação dos privados no resgate da economia grega

Bruxelas defende participação dos privados no resgate da economia grega
Tamanho do texto Aa Aa

Não há alternativa ao difícil programa de reformas que a Grécia tem que por em prática, qualquer que seja a solução de financiamento encontrada para o país.

A Comissão Europeia defende a participação do setor privado no resgate da economia grega.

Durão Barroso disse esta terça-feira, em conferência de imprensa, que a posiçâo de Bruxelas já foi transmitida aos chefes de Estado e de governo que vão reunir-se em cimeira esta quinta e sexta-feira.

“Nós pensamos que a partilha com o setor privado pode justificar-se se não criar um “credit event”, uma suspensão dos pagamentos, ainda que ela seja seletiva e, claro, em plena harmonia com o Banco Central Europeu”.

O BCE mostra reticências a esta solução, mas a Alemanha insiste que os bancos devem participar na resolução da crise. Os parametros do segundo plano de resgate só serão conhecidos no princípio de Julho.

Para o economista Pierre Defraigne é um caminho perigoso:

“Se se impuser a participação dos bancos, os mercados vão interpretá-la como uma restruturação, ou seja uma falência e se tentarmos convencê-los, vai ser preciso que os acionistas estejam de acordo, para que não possam atacar a gestão do banco por se expôr ainda mais à dívida grega”.

Seja qual for o caminho, Bruxelas quer uma garantia política sólida e a aprovação pelo parlamento grego do plano de austeridade acordado com a União e o FMI, é condição “sine qua non”.

“A solução para a crise grega poderá vir, não dos dirigentes europeus, mas do sistema bancário. Participará ele na recuperação do país? Com que contrapartidas? Os projetores estão, a partir de agora, virados para os bancos europeus”.