Última hora

Última hora

RLíderes reunidos em Bruxelas com receio do contágio grego

Em leitura:

RLíderes reunidos em Bruxelas com receio do contágio grego

RLíderes reunidos em Bruxelas com receio do contágio grego
Tamanho do texto Aa Aa

Esta não será uma cimeira de decisões sobre a crise, mas as mensagens que sairem daqui terão que tranquilizar os mercados.

Num momento em que o contágio se tornou no principal receio da zona euro, Pedro Passos Coelho veio assegurar que ninguém descansa em Portugal até garantir que o programa de reformas será bem sucedido.

“Não descansaremos enquanto não pudermos devolver com trabalho e com resultados a confiança que em nós depositaram. Quero manifestar aqui uma grande confiança em como, em tudo o que depender de nós e, seguramente, da Comissão Europeia, do Banco Central Europeu e do Fundo Monetário Internacional, o programa em Portugal será bem sucedido”, afirmou.

A vontade política é importante, mas para os analistas, não é assim tão simples. Daniel Gros, do Centro Europeu de Estudos Políticos (CEPS) afirma que o risco de contaminação para Portugal e Espanha é bem real.

“Há sempre risco de contaminação, porque os mercados financeiros ouvem que há revoltas na Grécia contra a austeridade e que pode haver também em Portugal e Espanha. É inevitável… e há muito pouco que os líderes europeus possam fazer”.

Há muito pouco que possa ser feito e isso preocupa os cidadãos europeus que têm na Grécia um espelho do que pode vir a passar-se nos seus países:

“ A Grécia faz parte da União Europeia e automaticamente toda a gente é atingida.”

“É simplesmente um problema europeu. A Grécia, para mim, não é mais do que uma antevisão do que se pode passar noutros sítios.”

Como refere a enviada da euronews, Maria Barradas: “Contágio é a palavra mais pronunciada nos centros de decisão. Dir-se-ia que a dívida grega é a bactéria perigosa do mundo financeiro a que ninguém se quer expôr. A verdade, é que também ninguém parece ter ideia de como evitar a propagação”.