Última hora
This content is not available in your region

Nanotecnologia na limpeza de cascos marítimos

Nanotecnologia na limpeza de cascos marítimos
Tamanho do texto Aa Aa

Um barco no mar é um alvo ideal para todas as espécies de organismos marinhos que procuram um poiso.

Depois de escassos meses na água, um barco pode ficar com este aspecto surpreendente, como explica o professor, David Williams:

“Aqui, nós começamos a ver a sujidade típica, uma carapaça. Começam as ascídias, um outro animal solitário o gusano de tubo gigante e o percebe. Pode imaginar-se, um barco em deslocaçao, com tudo isto agarrado à sua parte externa. Isto retarda a embarcação e, se se quer andar mais rapidamente, tem que se gastar mais combustível”

A biosujidade é um problema enorme. Um navio, pesadamente sujo, pode gastar mais 40 por cento de combustível, para manter a velocidade de cruzeiro.

Estima-se que as pinturas especializadas para combater esta sujidade custem 20 mil milhões de euros por ano, aos armadores.

Têm outras vantagem. Impedem a emissão de meio milhão de toneladas de gases, com efeito de estufa.

O objetivo, hoje, é desenvolver uma nova geração de pinturas não tóxicas, mais eficientes. Esse é o desafio inscrito num projeto de investigação europeu, conhecido por “Ambio”.

Jim Callow, coordenador de projeto de Ambio e professor na Universidade de Birmingham, sintetisa os objetivos deste projeto:

“A finalidade do projeto é encontrar uma escala de novas soluções de nanotecnologia, para os revestimentos que protegem o equipamento naval que se suja, mas sem o uso dos biocidas. Os biocidas são compostos que matam organismos. A finalidade de Ambio é encontrar revestimentos que atuem, reduzindo a força de aderência dos organismos, no exterior dos barcos,sem os matar.

Essa aderência ocorre com o uso de proteínas adesivas. Essas proteínas têm componentes, que são nano-adesivas eficazes. Quando se têm nano-adesivos terão de procurar nanosoluções, sob medida”.

Um dos peritos na nanotecnologia que trabalha com o projeto é professor Galli. Conseguiu uma fórmula para o revestimento da estrutura:

“Bastante estranho, género pegajoso, o que parece uma contradição. O nosso material deve ser um pouco escorregadiço, de modo que os organismos que contacta, depois de um movimento, sejam desalojados, escovados delicadamente, pelo contacto. Isto, porque este anfíbio é nanomodelado”.

As moléculas anfíbias presas ao revestimento têm um relacionamento curioso com água. A parte da molécula hidrófila atrai moléculas de água.A parte hidrofóbica empurra, até as afastar.

Esta combinação anfíbia produz uma nano-escala, o teste padrão a que os percebes e as algas se sujeitam.

Os resultados, segundo o professor Tony Clare, da Universidade de Newcastle, foram muito encorajadores:

“O que nós concluímos é que se executou muito bem, é eficaz. Com a pressão, os percebes deslizam, Por isso, estamos muito satisfeitos, com o desempenho, que se executa num tempo, relativamente, no àmbito deste programa Ambio”.

O revestimento tem sido testado fora do laboratório, nas mãos de um outro associado do programa de Ambio, na área da pintura

Ele já testou o seu desempenho, em condições reais, no mar:

“Este é um exemplo de um produto Ambio.Quando uma embarcação começa a mover-se, a água agita-se, depois de o painel sujo passar. À medida que o barco avança, a sujidade vai caindo”.

Ainda faltará muito tempo, para que o revestimento se transforme num produto comercial. Mas ele pode vir a ser o cofre forte do ambiente.