A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Portugal enfrenta as ondas de choque do corte do rating

Portugal enfrenta as ondas de choque do corte do rating
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Os juros subiram e a procura baixou num leilão de dívida portuguesa. O Psi 20 teve o pior desempenho do ano. O risco da dívida de Portugal atingiu valores recordes.

A Comissão Europeia condenou a decisão da Moody’s. “A decisão tomada ontem por uma agência de rating não esclarece nada. Pelo contrário, adiciona mais um elemento especulativo à situação”, afirmou Durão Barroso.

A Moody’s esclareceu que as medidas de austeridade anunciadas pelo primeiro-ministro português já foram tidas em conta no corte do rating.

A banca europeia é a que tem a maior exposição à dívida portuguesa: 239,5 mil milhões de euros, sem contar com os bancos do Reino Unido, que detêm 17 mil milhões. Em terceiro lugar, estão os norte-americanos com 3,7 mil milhões.

“Uma das razões para a Moody’s fazer o downgrade é considerar que o Estado terá que apoiar a banca com um valor superior àquele que está considerado no acordo da Troika. Nós temos cerca de 12 mil milhões de apoios para a banca e o que a Moody’s vem dizer é que isso não chega”, explica o economista Ricardo Valente.

Numa nota enviada à imprensa, a Moody’s coloca o BES, o BPI, a Caixa Geral de Depósitos e o BCP entre os bancos europeus que devem chumbar nos testes de stress.